quinta-feira, 7 de novembro de 2013

TRANSPLANTE - Extended Version

Com minha recuperação indo as mil maravilhas, com os novos órgãos respondendo muito bem ao que vieram, depois de 11 dias minha médica me deu alta. Imagina minha alegria. Mesmo se um hospital é 5 estrelas, é um hospital. Você é furado, colocam um monte de soro em você (eu tava ficando traumatizado - aquelas coisas penduradas em mim com a sensação que cada gota demorava um minuto pra cair e entrar no acesso). Dezenas de comprimidos, exames de sangue todo dia, injeções e fazer xixi num frasco grande pra saber quanto de volume você esta expelindo pra ter noção do funcionamento do rim novo. Argh! E o acesso por onde quase tudo isso entrava era via um cateter no ombro que chegava na subclavia. Banho? Nem as aventuras de Indiana Jones tinham tanta emoção.
E a comida do hospital? Primeiros 3 dias sem comer. Passei a dieta liquida quando fui pro quarto e foram uns 4 dias assim. Vinha aquela água de batata sem tempero. Mas ao menos me liberavam um sachezinho de sal. E queriam que meu intestino funcionasse. Praticamente a rede de esgoto foi trocada pela de abastecimento de água.
Depois passei pra comida pastosa. Era água de batata com uma batata. E mais um sachê de sal. Minha alegria era a sobremesa. Gelatina. Cada vez de uma cor diferente. Sucessuuuuuuu!!!
Dois dias antes da alta mudaram pra dieta solida. Quase chorei de emoção e alegria com a primeira marmitinha. Parecia tudo divino: Um arroz com feijão sem caldo mais um refogadinho de legumes e um pedacinho de frango. Para mim parecia uma verdadeira macarronada de mama de domingo com direito a maionese e bife a milanesa. Mas sem sal. E da-lhe gelatina depois.
Dia da alta, alegria geral. Excelentes recomendações da médica e todo o manual da nutricionista debaixo do braço. Agora era só se cuidar direitinho pra logo ficar cada vez melhor. BUT ...
Primeira jantinha em casa arrisquei um purezinho de batata com carne moída. Pouquinha coisa. Mas pra um estomago de férias aquilo não fazia muito sentido. Passei a madrugada de 4a pra 5a com a sensação de ter comido um javali no melhor estilo Obelix (amigo do Asterix, aquele desenho francês). E aquilo não descia nem subia, não descia nem subia até que ... SUBIU! Depois de 3 golfadas o alivio tinha voltado. O javali foi embora e achei que agora tudo ia ficar bem. Um mingau de aveia de manhã ia resolver tudo e era só entrar no ritmo. Mas como diria Irmã Selma: SHOW DE HUMOR!!
O caldinho de frango cozido tinha um pimentão. Tinha um pimentão no caldinho de frango cozido. Outro javali e nem precisei esperar muito pra ele subir. A sexta correu bem sem o javali voltar. Mas a sensação que ele estava lá perdurou. Sábado as 5h da madruga, voltei pro hospital. Com um rim e pâncreas novos o estomago com crise de ciúmes resolveu aprontar das suas.
Fui internado. Como tinham tirado o acesso do ombro na alta anterior foram tentar pegar minha veia pra me tacar soro de volta. Na primeira não deu certo. Tentaram pegar a veia do dedo indicador. Quase morri de dor e não deu certo. Pouco depois veio a enfermeira mais gabaritada e conseguiu. Ufa. E mais soro. Isso ainda foi no PS. Internado, voltei a alimentação liquida, remédios, mais soro, furos no dedo pra ver a glicemia e mais soro e eu começando a ficar irritado. Minha validade de hospital estava chegando ao fim. Raio-X e exames de sangue normais. Mas o soro lá, grudado em mim a noite toda.
Agora pense a aventura. Madrugada com o soro na veia. Vontade de fazer xixi e esse xixi deve ser feito num frasco pra saberem quanto de liquido estava eliminando. Segura o soro, baixa as calças, segura o frasco, pilota o "amiguinho" pra acertar no frasco ... não sei se vocês contaram quantos braços eu tava precisando mas a conta não tava fechando. Aí que agradeço ter pais maravilhosos que nunca me desampararam. São pessoas realmente especiais em minha vida que eu só tenho a agradecer. Eles foram os braços e mãos que me faltaram.
Veio a segunda-feira e pediram uma tomografia tipo pra desencargo de consciência. Eu me sentia muito bem mas estava ficando injuriado pois não aguentava mais hospital. Meu nível de paciência e tolerância estava chegando a zero e acreditei que na terça teria alta. Bom, quase isso.
Tirando a impaciência me sentia ótimo. Mas a dra decidiu aparecer só no fim da tarde. E eu querendo fugir dali. Ela disse que os exames de sangue e o resultado da tomo ainda não tinham saído, estavam atrasados e então eu devia ficar mais um dia ali. SURTEI!!!!!
Disse que ia fugir mesmo, que os outros exames estavam bons e se esses não tinham saído não era justo eu ficar mais um dia de castigo tomando soro. Se alguma enfermeira aparecesse ali com um galão daquela coisa e ia fazer ela tomar o soro via oral. Se eu ficasse ali mais um dia ia ter que ser transferido pra psiquiatria e ser amarrado.
Como era preciso ela refazer uns laudos e formulários pra solicitar remédios gratuitos na secretaria de saúde do estado (soube que um deles custa 6 mil reais por mês) ela disse que ia providenciar e voltaria em seguida. Pois bem. Aguardei com a maior paciência de talibã que se tem em momentos de tensão já imaginando qual seria a enfermeira minha primeira vitima. Ia virar um homem-soro-bomba.
Ela voltou dizendo que teríamos que voltar no dia seguinte para pegar os novos laudos do remédio e mais a copia de alguns exames necessários para a solicitação. Mas que eu estava liberado. YEEEEESSSSSSS!!!! Nada como alguns argumentos sensatos e convincentes. Arrumei minhas coisas e saí quase saltitante pra casa. A alimentação não me fez mais mal e até já consegui ir ao banheiro como uma pessoa normal. Me sinto bem tomando todos os cuidados para uma recuperação tranquila e progressiva. Ainda estou evitando muitas visitas. Uma ou outra já é possível. Viva a máscara e o álcool gel. E espero que hospital agora só pra acompanhamento e exames. E que assim seja.

5 comentários:

  1. Renato! muito boa sorte e sucesso nesta nova fase! adoro seus textos, vc consegue tratar tudo combom humor!

    ResponderExcluir
  2. Meu bom amigo! Mais uma batalha vencida e eita amor à vida!!!! Você poderia ensinar o caminho de quem vai percorrer a sua rota....... Ia ser um guia "turístico" de primeira linha!!!
    Não nos conhecemos , mas você tem o meu respeito conquistado desde a primeira linha lá atrás!
    Boa sorte que boa alma você já tem!
    bjs

    ResponderExcluir
  3. Obrigado pelo carinho, amigos. Pra mim não tem nada mais encorajador. Penso que com todos esses percalços ainda fazer drama só vai dar mais trabalho. Melhor é rir da própria desgraça e passar por isso de alma limpa. Valeu. Bj no coração.

    ResponderExcluir
  4. É isto que Deus viu em você...Um ser muito especial!!!

    ResponderExcluir