terça-feira, 15 de março de 2016

EMA, EMA, EMA ...

E aí gente! Saudades?

Mentira que nesses meses de sumiço ninguém escreveu sentindo minha falta. Mas entendo, vocês provavelmente andaram se incomodando com seus próprios problemas, ou pior, os problemas dos outros e nem deu tempo de vir aqui ver se eu estava com algum problema. Problema seu.

Problema todos teme resolve como pode. Ou não resolve. Mas temos mania de olhar pro lado e perceber que o problema alheio é sempre mais simples de resolver do que o nosso. O nosso sempre é mais difícil. Como a gente queria o problema do outro que é muito fácil de resolver do que o nosso e o mané fica ali reclamando ao invés de tomar uma atitude. É o mesmo pensamento que o mané tem de você, seu mané-mor!

 "O cara faz um drama por causa de uma unha encravada; vai lá e arranca de vez! Eu não! Eu que estou aqui com um problemaço, sem saber onde vou estacionar meu carro novo quando ir pro trabalho é que tenho um pepino dos grandes pra resolver." 

-- Vai de ônibus.
-- Deus me livre pegar o Boqueirão no horário de pico. Chego com o terno todo amassado. (Aliás lembrei que preciso de um terno para o casamento de um amigo. Ai que problema).
-- Paga estacionamento.
-- E deixar meia parcelado de carro pra esses exploradores?
-- Tenta carona.
-- Aqui em Curitiba o povo não gosta de dar carona (e não gosta mesmo)
-- Então você pode ... ai ai ai ai.
-- Que foi?
-- Minha unha.
-- Arranca logo essa coisa!
-- Pra você é fácil falar. Não é a sua.

Não é a sua. Não é o seu.

Existe um dimensionamento de problema que cada um dá de acordo com sua vivência, suas experiências de vida. Resolver o problema alheio é muito fácil pois você entra com a idéia mas é o outro que entra com a dor de fazer. Não significa que não se pode dar conselhos. Mas penso que conselho e ajuda se dá a quem pede, quem está disposto a ouvir uma opinião. Não adianta falar a quem não quer escutar. Capaz ainda se saírem falando de você e vai ser outro problema. Também existe a carência de maturidade e humildade de se aprender com os problemas que se vivencia e se repetem. Ou inteligencia suficiente para aprender com o problema do outro. Dói menos. Mas como diz meu pai, quando não é pelo amor tem que ser pela dor.

Vejo muita gente com problemas, que para mim, são simples. Mudanças de atitudes, escolha de prioridades, mudança de como encarar uma situação. Do pessimismo para a altivez já é meio problema resolvido. Mas é complicado, tem gente que procura problema onde não tem pra justificar alguma coisa que não consegue mudar. Pra esses a gente até fala: tá precisando de um problema de verdade.

Eu tenho um problema com disciplina. Se não tivesse não ficaria tanto tempo sem escrever pois assunto, tem. Ops ... pausa que o assunto tá perto. hihihihi. 

Me parece que existe uma quantidade bem grande de problemas que escolhemos ter. Coisas que a gente FAZ virar problema. Da vaga do carro, á unha que não se tira. Da pessoa que não nos ama de verdade mas não conseguimos desligar. Tem a lista de material escolar carrérrimos das crianças mas não muda de escola. A conta corrente negativa e os 10 cartões de crédito que não saem da bolsa. A pessoa de idade sozinha que está doente mas não abre mão do canto dela. E tem quem está doente que não escolheu ter problema.

O simples fato de pararmos, respirarmos fundo e olharmos para o lado já faz com que nossos problemas se reduzam pela metade. Quão grande é o seu problema? Olha que eu aprendi que quem tem problema de verdade é quem geralmente menos reclama dele. Mas também é quem menos fala do problema dos outros.

Ema, ema, ema ... cada um com seus "pobrema"!!!  Qual é o seu?

4 comentários:

  1. Meu problema é não morar na mesma cidade que você para gente conversar e sair todo dia para um café no final da tarde!!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que tal uma cafeteria qualquer ... em Coimbra? rsrsrs

      Excluir
  2. Eu sou do tipo que nunca acho que tenho um problema, talvez porque eu acredite que ter "poblema" é uma coisa inerente á vida, talvez porque os sagitarianos no geral são otimistas incuráveis, talvez porque eu tenha sorte de ser um privilegiado. Mas eu conheço muita gente que está f(piiiiii) na vida e não acha que tem problemas...
    Eu aliás nem gosto desta palavra... aliás vou anotar para escrever um post sobre este tema...

    E.T. SIM! concordo que o fato do Sr. não escrever com mais frequencia é um problema!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Acho que sofro do mal de quem tem muito a dizer acaba não falando nada. rs

      Excluir